Audi RS 3 Sedan estreia em Paris com 400 cv

Motorpress
Da Redação, em São Paulo (SP)
29/09/2016 12:12

Stephen Winkelmann mostra o RS 3 em Paris

Fotografado no início do ano durante uma apresentação secreta, o inédito Audi RS 3 Sedan finalmente faz sua estreia ao público. O sedã esportivo foi lançado no Salão de Paris, nesta quinta-feira (29), batendo dois recordes.

Com o mesmo 2.5 de cinco cilindros e 400 cv e 48,5 kgfm do TT RS, o Audi RS 3 Sedan é o modelo mais rápido e potente do segmento de sedãs compactos. O modelo é dotado da tração integral e câmbio robotizado de dupla embreagem com sete marchas com controle de largada. Segundo a Audi, o modelo acelera de 0 a 100 km/h em 4s1, com velocidade máxima limitada a 250 km/h, podendo subir para 280 km/h a pedido do cliente.

Sedã esportivo fez sua estreia mundial no Salão de Paris
Entre os atributos técnicos do modelo há sistema de vetorização de torque, suspensão adaptativa opcional e faróis totalmente em LEDs. Para lidar com a cavalaria extra (que supera até mesmo ao de sua versão hatch antiga), a Audi colocou freios a discos ventilados e perfurados de 37 cm de diâmetro na dianteira e 31 cm na traseira.

LEIA TAMBÉM
Salão de Paris: veja a galeria com as atrações


A fabricante garante ter feito o mesmo trabalho acústico dos outros modelos equipados com o tradicional motor de cinco cilindros em linha. Segundo a empresa, o som dos enormes escapamentos duplos se destaca e pode variar ao toque de um botão no painel.

Essa é a primeira vez que a Audi cria uma versão RS para seu menor três-volumes. Até então, só o RS 3 hatch era oferecido. O esportivo usa a mesma plataforma do sedã fabricado em São José dos Pinhais (PR), mas já usa o visual reestilizado do novo A3. A fabricante não confirma, mas tanto a reestilização do A3 Sedan quanto as versões esportivas S3 e RS3 só devem chegar ao Brasil em 2017.

MÉDIO REPAGINADO
Junto do RS 3 Sedan a Audi promoveu outras novidades, com destaque para a segunda geração do Q5. O SUV intermediário da marca passou a ser feito em uma versão evoluída da plataforma MLB, também usada no Audi Q7, A8 e Bentley Bentayga.

SUV Q5 durante a apresentação em Paris, nesta quinta
A Audi deixou a dianteira do novo Q5 com os mesmos traços do Q7, mas a traseira ganhou mais personalidade com lanternas menos retilíneas. A adoção de mais materiais de liga-leve deixou o utilitário até 90 kg mais leve, apesar de ter crescido em quase todas as dimensões. São 4,66 m de comprimento, 1,89 m de largura, 1,66 m de altura e 2,82 m de entre-eixos.

Entre os equipamentos disponíveis no novo Q5 há suspensão a ar, direção com relação variável, controlador de velocidade adaptativo, sistema de pré-colisão traseira e alerta de veículos e pedestres ao abrir a porta. O tradicional painel digital, que estrou no Q7 e TT, também está presente no modelo.

O A5 Sportback também estreou no evento em Paris
Apesar do escândalo do dieselgate, a Audi oferece só uma opção movida a gasolina entre os cinco motores disponíveis para o Q5. O 2.0 de 252 cv, inclusive, deve ser o único a ser oferecido no Brasil, em 2017. A boa novidade é que o utilitário será fabricado no México, o que pode permitir preços abaixos da concorrência no segmento por aqui.

Junto do Q5 a Audi apresentou pela primeira vez ao público o novo A5 e S5 Sportback, versão cinco portas de seu cupê médio. A dupla tem visual idêntico ao novo A5 e, como o duas-portas, chegará ao Brasil no ano que vem.