Tiguan 1.4 de 150 cv não decepciona na pista

WILSON TOUME
Da Motorpress, em São Paulo (SP)
28/12/2016 10:00

Os fãs de SUVs compactos têm um novo motivo para celebrar: a Volkswagen lançou uma versão do Tiguan mais acessível, com motor 1.4 TSI, que se destaca pela eficiência. E o melhor: sem prejudicar o desempenho do modelo.
Trata-se de um propulsor similar ao usado no Golf Variant, ou seja, um 4-cilindros turbo com 16 válvulas e 1.395 cm³, capaz de gerar 150 cv e 25,5 mkgf. A diferença fica por conta do combustível: enquanto o motor do Golf station é flex, o do Tiguan só pode ser abastecido com gasolina.

Visual do novo Tiguan 1.4 está um pouco ultrapassado

Essa é a grande novidade do modelo, que traz, na parte interna, a central Composition Media, compatível com sistemas Android Auto, Mirror Link e Apple CarPlay, além de oito alto-falantes, controlador de velocidade de cruzeiro, volante multifunção revestido de couro, computador de bordo e seis airbags, por exemplo. Opcionalmente, o SUV ainda pode contar com teto solar panorâmico, ar-condicionado automático digital de duas zonas, borboletas para trocas de marcha no volante, chave presencial com partida por botão e rodas de liga leve de 18”, entre outros.

Assim como a dianteira, a traseira já é conhecida dos brasileiros

Como se vê, embora se trate de uma versão de entrada, esse Tiguan é bem equipado desde a configuração básica (que custa R$ 125.990). Totalmente equipado, como a unidade das fotos, o preço salta para R$ 142.890, o que já assusta.

Em compensação, em termos de desempenho, o Tiguan 1.4 TSI não decepciona. Ele não se iguala ao modelo 2.0, é claro, mas exibe desempenho mais do que adequado para um veículo do seu porte (1.501 kg). A aceleração de 0 a 100 km/h, por exemplo, é feita em bons 9s35, pouca coisa a mais que os 8s8 da versão 2.0 – que entrega 200 cv, é bom lembrar.

Quadro de instrumentos agrada pelo estilo limpo e com boa visualização

O “troco” do 1.4 TSI surge na hora de abastecer: enquanto o Tiguan mais potente obteve consumo médio de 8,7 km/litro, o novo registrou 11,4 km/litro. Para se ter ideia do que isso significa, basta dizer que a autonomia do 1.4 é de 718 km, enquanto a do 2.0 é de 548 km. Uma considerável diferença de 170 km a favor da nova versão. 

No uso diário, as diferenças entre o Tiguan 1.4 e o 2.0 são ainda menos perceptíveis, já que o comportamento no trânsito pesado das grandes cidades é muito próximo entre os dois veículos. O câmbio robotizado de seis marchas tem funcionamento rápido e preciso e, caso o motorista prefira, ainda pode comandar as trocas manualmente por meio das borboletas junto ao volante. Mas o melhor é poder usufruir de um SUV confortável, mas sem dimensões exageradas.

Novo motor 1.4 garante bom desempenho e melhorou o consumo

O principal obstáculo para o sucesso dessa nova versão do Tiguan no Brasil deve ser o seu visual, já envelhecido, além da iminente chegada da nova geração ao Brasil, que deve ocorrer em 2017. Como opção racional, esse SUV com motor 1.4 é uma boa indicação. 

Nossas medições

Aceleração em segundos
0-40 km/h (m) 2,45 (14,1)
0-60 km/h (m) 4,06 (36,7)
0-80 km/h (m) 6,29 (80)
0-100 km/h (m) 9,35 (157,3)
0-120 km/h (m) 13,57 (287,2)
0-140 km/h (m) 19,41 (499,4)
0-160 km/h (m) 27,75 (848,1)
0-180 km/h (m) não atingida
0-200 km/h (m) não atingida
0-400 m (km/h) 16,78 (132,2)
0-1000 m (km/h) 31,09 (166,3)
Retomada
40-100 km/h em Drive 7,54
60-120 km/h em Drive 10,64
80-120 km/h em Drive 7,14