Teste: Troller T4

Motorpress
Da Redação, em São Paulo (SP)
24/07/2014 12:00

Visto de qualquer ângulo, não se pode negar que o novo T4 tem visual chamativo e diferenciado

Ele é ruidoso, balança bastante e é difícil de manobrar. Mas quem tem um carro desses não está preocupado com isso. O consumidor fiel do Troller T4 (que, segundo a marca, representa 48% dos clientes) não liga para as dificuldades apresentadas em cenário urbano, pois é apaixonado pelo carro, que, para esses aficionados, compensa tudo na hora de se aventurar em trilhas no fora-de-estrada.

Caixas de rodas - enormes, proporcionam maior ângulo de entrada e de saída de obstáculos

Mas, mesmo sendo um modelo 2015, ele não é equipado com airbags. De acordo com a fabricante, isso ocorre porque o T4 se encaixa em uma legislação diferente, pois se trata de um “veículo voltado a atividades off-road e sujeito a impactos constantes, que não incorporam o uso de airbag”. A explicação é essa, mas não se pode esquecer que o T4 não roda apenas em trilhas e que muitos proprietários viajam com o modelo por estradas até chegar às trilhas. 

Agora o T4 tem um motor 3.2 com 200 cv e 47,9 mkgf de torque

Voltando ao jipe, ele está 1 cm mais alto, 1 cm mais largo e 1,7 cm maior no entre-eixos. O porta-malas comporta 134 litros, mas continua menor que o do Chery QQ (190 litros), por exemplo.

Na parte interna, o painel lembra muito o da picape Ranger, com os mesmos instrumentos. Mas o T4 traz alguns detalhes com acabamento metálico, “inspirados em engrenagens”, de acordo com a explicação da fabricante.

O painel do T4 tem desenho exclusivo e acabamento em duas cores. O volante oferece boa pegada, mas não traz comandos de rádio

A fábrica da marca, localizada em Horizonte, CE, aliás, foi reformada, possibilitando que o T4 receba um novo tratamento. Agora, em vez da produção manual, a carroceria é feita por meio do processo SMC (Sheet Moulding Compound), na qual um composto de resina e de fibra de vidro é prensado em alta temparatura. Esse processo elimina os resíduos da fibra e as imperfeições que surgiam nas peças anteriormente.

Agora, a caixa tem seis marchas. A da geração anterior possuía apenas cinco. Os engates são precisos, mas duros

Portanto, o dono do novo Troller T4 terá um veículo com maior rigidez, menor custo de reparo, menos peso, mais resistente ao fogo, à corrosão e a impactos, segundo Wilson Vasconcellos Filho, responsável pelo marketing da Troller. A garantia passou para três anos, e a rede de concessionárias chegará a 21 unidades até o final deste ano. Hoje são 19 revendas.

O rádio é item de série e possui conexão bluetooth e entradas USB e auxiliar

Ainda segundo Vasconcellos, o comprador do Troller não costuma adquirir apenas o carro. “Em média, ele investe R$ 10.000 com acessórios para o veículo.” E, para não desapontar seus clientes, a marca preparou uma lista com 130 itens, como guincho, ganchos, protetores de cárter e de câmbio, caixa de transferência, escapamento e tanque, snorkel, bagageiro de teto, soleiras, pneus off-road, para-choque especial etc.

O novo painel conta com os instrumentos da picape Ford Ranger

O preço da novidade não foi divulgado até o término desta edição, mas Wilson Vasconcellos nos disse que o reajuste será de aproximadamente 15% em relação ao anterior, o que equivale a R$ 111.340. O motor é o mesmo da Ranger, tem 200 cv e 47,9 mkgf. O torque, aliás, está disponível já a 1.750 rpm e segue até 2.500 rpm. 

O painel possui furos para instalar instrumentos como bússola ou cronômetro

A tração 4x4 pode ser acionada por meio de um botão próximo ao freio de estacionamento. Para acioná-la, basta girar o seletor e isso pode ser feito a até 120 km/h. Já a reduzida só pode ser selecionada com o carro parado.

Em nosso teste, o novo T4 acelerou de 0 a 100 km/h em 12s3, um bom resultado se comparado ao anterior, que cumpriu a mesma prova em 14s9. Vale observar que o novo câmbio de 6 marchas (antes era de 5) também contribuiu para o bom desempenho. O que preocupa, mesmo que ele tenha um peso superior a duas toneladas, é o fading dos freios, que chegou a 11,6 m.

Assoalho emborrachado - prático, o revestimento permite lavar o interior do jipe sem causar problemas ao acabamento do carro

Resumindo, o Troller T4 continua sendo um bom veículo para o uso no fora-de-estrada. Robusto e com características específicas para as trilhas, ele só não se sai tão bem no asfalto, exatamente por conta dessas características.

O porta-malas cresceu, mas acomoda apenas 134 litros de bagagem

Conclusão: O Troller T4 2015 recebeu muitas melhorias, mas, mesmo assim, o modelo ainda tem muito a evoluir em termos de espaço interno, porta-malas, capacidade de frenagem e segurança passiva. A Troller também poderia ter aproveitado o momento de renovação do modelo para dotá-lo de suspensão independente, ao menos na dianteira, para melhorar seu comportamento no asfalto. Pelo que deverá custar, o novo T4 seguirá como uma boa opção apenas para os amantes de off-road, mas inadequado para quem precisa de um carro para o dia a dia. - Vinícius Montoia

Média final técnica: 4,9

Média final de mercado: 7,7

Clique em "Versões Relacionadas" e confira os dados técnicos e de medições do modelo. 

Versões Relacionadas