Teste: Jeep Renegade flex 2017 ficou mais ágil

CAIO BEDNARSKI
Da Motorpress, em São Paulo (SP)
28/01/2017 08:00

Versão Limited do Renegade tem grade dianteira exclusiva
A principal crítica feita ao Jeep Renegade na ocasião do seu lançamento foi o desempenho da versão flex, com motor 1.8 de 132 cv e 19,1 kgfm. Pode não parecer, mas, na prática, o SUV compacto nunca empolgou pela agilidade. Isso também prejudicava o consumo do modelo.

Agora, a Jeep promete acabar – ou minimizar – esses problemas. A linha 2017 trouxe melhorias no motor, que passa a entregar 139 cv e 19,3 kgfm. Além do aumento de potência e torque, conta com novas tecnologias, como coletor de admissão variável, sistema start-stop e partida a frio sem uso de gasolina, entre outras.

Traseira da versão não tem alterações
Tudo para tornar o Renegade mais eficiente. O câmbio também recebeu melhorias no gerenciamente eletrônico, o que resultou em um casamento mais harmonioso com o motor. As mudanças podem parecer pequenas, mas é preciso rodar com o veículo para perceber que não é bem assim. A curva de torque mais linear, por exemplo, resultou em uma condução mais agradável, mesmo no trânsito congestionado.

Com opcionais, versão passa dos R$ 100 mil
Rodando na cidade, aliás, o melhor casamento entre motor e câmbio é notável, já que as marchas são trocadas em rotações mais baixas, beneficiando o consumo e o conforto. Mas basta pisar mais fundo no acelerador para o Renegade retomar velocidade com agilidade.

Na estrada, o Jeep também mostra ânimo para arrancar e embalar, além de exibir mais agilidade nas ultrapassagens, transmitindo mais confiança ao motorista.

Instrumentos "enlameados" lembram a vocação do modelo
Nossos testes comprovam as impressões ao volante do Renegade, já que ele precisou de 12s76 para acelerar de 0 a 100 km/h, contra 13s51 do anterior. Nas retomadas, a diferença foi ainda maior: o modelo 2017 precisou de 12s71 para retomar de 60 km/h a 120km/h, enquanto o antigo necessitava de 15s15.

Além das mudanças no motor flex, outra novidade na gama é a versão Limited (custa R$ 97.900, ou R$ 104.290 com os opcionais da unidade testada) que passa a ser a mais sofisticada com essa motorização. Essa versão traz as seguintes mudanças visuais: grade dianteira, retrovisores e barras longitudinais no teto na cor prata, teto pintado de preto e as rodas de aro 18” com pintura diferenciada.



A nova versão ainda traz itens como bancos de couro, chave presencial, quadro de instrumentos com monitor de 7” colorido e configurável, faróis de xenônio, sensores de luz e de chuva, rebatimento elétrico dos retrovisores, entre outros. Aliás, quase todas as versões trazem mais itens de série na linha 2017. Apenas a configuração de entrada não ganhou mais equipamentos.

Atualmente, o Jeep Renegade é o segundo veículo mais vendido do segmento e a partir de agora tem condições de conquistar ainda mais consumidores, já que as melhorias introduzidas na linha 2017 são significativas.

Veja medições da Motorpress e dados de fábrica: