Picape com naipe de caminhão, RAM 2500 volta ao Brasil

RODRIGO RIBEIRO
Da CARRO, em São Paulo (SP)
07/02/2016 12:00
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500
RAM 2500

A saída do nome Dodge da maior picape fabricada pela FCA faz sentido: afinal, a Ram 2500 é tudo, menos um carro. O utilitário que retorna ao Brasil em versão única passou por mudanças no visual e na mecânica, mas com o mesmo tamanho GG. 

São mais de 6 metros de comprimento, 330 cv gerados por um motor Cummins 6.7 e 3,4 toneladas de peso. O Código de Trânsito Brasileiro considera a Ram um caminhão – o que exige habilitação de categoria C e atenção às restrições ao guiar nas cidades. Não que isso seja uma boa ideia. O longo entre-eixos pede mais de 13 m para que a 2500 possa manobrar e dar meia-volta.

Dodge Ram 2500 pesa 3.410 kg

A empresa admite que boa parte dos proprietários da picape a usarão majoritariamente em fazendas e sítios. A distância de grandes centros urbanos foi, inclusive, um dos motivos pelo qual o motor de seis cilindros em linha foi “estrangulado”, pois é possível que nem sempre ele utilize o recomendável diesel S10. Ainda que tenha ficado 20 cv mais potente nessa versão, a 2500 segue longe da versão americana e seus 370 cv.

Para poder dirigi-la, condutor deve ter CNH da categoria C

Essa perda é um detalhe, diante dos estratosféricos 104 mkgf de torque. É tanta força que a 2500 pode rebocar 7.750 kg, ou mais de duas vezes seu próprio peso. Em um curto teste on e off-road, todo esse exagero contrastou com o comportamento dócil da 2500, com acelerações adequadas ao seu porte e frenagens surpreendentes. A suspensão macia lida bem com buracos e o curso elevado torna a piada "passa por cima" algo sério.

Ano-modelo 2016 da Dodge Ram perdeu o banco dianteiro central

O valor de R$ 249.900 combina com seu tamanho, mas protetor de caçamba (R$ 4.900) e capota marítima (R$ 7.000) deviam ser itens de série. A marca argumenta que isso não incomoda seus consumidores, que também não veem problema em usar uma picape com porte de caminhão. Mas há um horizonte para quem prefere algo discreto e “compacto”: a Ram 1500, menor, pode chegar ao Brasil em 2016.  

Dados de fábrica