Novo Audi A1 é mais potente, mas não parece

RODRIGO RIBEIRO
Da CARRO, em São Paulo (SP)
27/01/2016 15:15
AUDI A1 SPORTBACK 1.8 AMBITION
AUDI A1 SPORTBACK 1.8 AMBITION
AUDI A1 SPORTBACK 1.8 AMBITION
AUDI A1 SPORTBACK 1.8 AMBITION
AUDI A1 SPORTBACK 1.8 AMBITION
AUDI A1 SPORTBACK 1.8 AMBITION
AUDI A1 SPORTBACK 1.8 AMBITION
AUDI A1 SPORTBACK 1.8 AMBITION
AUDI A1 SPORTBACK 1.8 AMBITION
AUDI A1 SPORTBACK 1.8 AMBITION
AUDI A1 SPORTBACK 1.8 AMBITION
AUDI A1 SPORTBACK 1.8 AMBITION
AUDI A1 SPORTBACK 1.8 AMBITION
AUDI A1 SPORTBACK 1.8 AMBITION
AUDI A1 SPORTBACK 1.8 AMBITION
AUDI A1 SPORTBACK 1.8 AMBITION
AUDI A1 SPORTBACK 1.8 AMBITION
AUDI A1 SPORTBACK 1.8 AMBITION

Nem sempre mais potência é algo positivo. O primeiro Audi A1, por exemplo, tinha na versão topo de linha um moderno motor 1.4 com turbo e compressor, capaz de gerar 185 cv e levá-lo de 0 a 100 km/h em 7s9 -- nada mau para um hatch de 1.205 kg.

Por isso, pode soar exagero a adoção de um 1.8 turbo de 192 cv no A1 reestilizado. O compacto chega às lojas somente na versão Sportback, e seu preço parte de R$ 106.990 no 1.4 (agora com 125 cv) e chega a R$ 124.990 no modelo topo de linha avaliado nesta reportagem. 

A opção pelo mesmo conjunto motriz que equipa o A3 hatch é econômica: ainda que fosse extremamente eficiente, o antigo 1.4 de dupla sobrealimentação era complexo e caro. Tanto que, na prática, o novo A1 se mostrou pouca coisa mais rápido do que o anterior. Em nossas medições ele foi apenas 0s4 melhor na aceleração de 0 a 100 km/h e teve ligeira redução no consumo urbano. Os fãs do carrinho dificilmente vão notar a mudança do motor, já que o torque de 25,5 kgfm é exatamente o mesmo do antigo 1.4. Esse conjunto permite oferecer mais torque, mas, para isso, seria necessário trocar o câmbio robotizado de dupla embreagem a seco e sete marchas. 

MAIS SOBRE AUDI
Audi vai focar em elétricos até 2018

FCA libera uso dos nomes Q2 e Q4 para Audi
Grupo Volks terá motor 1.5 turbo em 2017
Audi mostra A4 Allroad e conceito a hidrogênio nos EUA

Na prática, o novo Audi A1 oferece quase os mesmos atributos que o anterior (o que está longe de ser ruim). O ótimo conjunto herdado do VW Polo europeu é bem assentado e aproveita o trem de força ao máximo, entregando um legítimo "foguete de bolso" (pocket rocket). 

Diante de seu rival mais próximo, o novo Mini Cooper S, o A1 oferece mais conforto no uso urbano. Mas isso não significa que o carro é macio, e sim que é possível trafegar por ruas de paralelepípedo sem que o seu celular caia do porta-objetiso do console central, por exemplo. Nesse tipo de via, porém, será possível notar o já conhecido ruído do câmbio robotizado, sobretudo em baixas velocidades. 

As mudanças visuais da linha 2016 não alteraram a silhueta do A1. Os faróis redesenhados possuem luz diurna de LED e facho alto e baixo com lâmpadas de xenônio, enquanto as lanternas traseiras tiveram seus elementos internos reformados. O interior segue inalterado, inclusive com a mesma tela LCD monocromática no quadro de instrumentos, similar à usada no Fox e Gol.

Entre as mudanças visuais da linha 2016 estão as novas lanternas

Houve um ganho de 2 cm no comprimento, mas isso foi apenas por causa dos parachoques redesenhados. Como em todo A1, há espaço bom para quem vai na frente, mas apenas razoável nos dois bancos traseiros. Quem tiver mais de 1,75 m de altura terá de viajar com as pernas parcialmente abertas e com cabeça desconfortavelmente próxima ao teto.

O sistema multimídia com tela retrátil (manual) não ajuda na impressão de "retrô moderno" que o A1 transmite. Faltam também controle de largada e camera de ré. Por menor que o A1 seja, a visibilidade traseira ruim exige atenção nas manobras, e o espelho do lado direito não aponta automaticamente para baixo ao se engatar a ré. 

Motor 1.8 é mais potente, mas desempenho é praticamente o mesmo

O A1 está longe de ser um projeto defasado, mas a rápida atualização da linha da Audi acbaa destacando as suas diferenças tecnológicas. O maior problema do compacto é culpa do marketing da fabricante. 

Por mais divertido que o foguetinho alemão seja, nada justicia a diferença média de R$ 10.000 em relação aos VW Fusca e Golf GTI -- que são mais modernos, confortáveis e potentes. 

DADOS DE FÁBRICA Audi A1 Sportback 1.8 Ambition
Velocidade máxima (km/h) 234
Motor/válvulas L4, diant., transv., turbo/16V
Cilindrada (cm³) 1.798
Potência (cv) 192 (G) a 5.400 rpm
Torque (kgfm) 25,5 (G) a 1.250
Câmbio Robotizado, dupla embreagem, 7 marchas
Suspensão (d/t) McPherson/Eixo de torção
Peso vazio/cap. máx. de carga (kg) 1.205/450
Diâmetro de giro (m) 10,6
Porta-malas (litros) 270
Tanque de combustível (litros) 45
Pneus (veículo testado) Continental 215/40 R17
Dimensões (C/L/A) (mm) 3.973/1.746/1.422
Entre-eixos (mm) 2.469

Mesmo sendo um modelo de nicho, o Audi A1 carede de um preço mais competitivo ou de um pacote de equipamentos mais recheado. Caso contrário, na configuração em que é oferecido, ele vai manter as vendas em números tão tímidos quanto o 0,4 litro ou 7 cv adicionados pelo novo motor 1.8 turbo. 

NOSSAS MEDIÇÕES Audi A1 Sportback 1.8 Ambition
Aceleração
0-60 km/h 3s9
0-80 km/h 5s6
0-100 km/h 7s5
0-120 km/h 10s2
Retomada
40-100 km/h em Drive 5s3
60-120 km/h em Drive 6s7
80-120 km/h em Drive 5s1
Frenagem
80-0 km/h 25,2 m
100-0 km/h 39,8 m
120-0 km/h 57,9 m
Consumo (gasolina)
Cidade (km/l) 10,1 
Estrada (km/l) 16
Peco 571

 

Versões Relacionadas