Mais caro que Gol, novo VW up! tem refino europeu

RODRIGO RIBEIRO
De São Paulo (SP)
18/04/2017 10:28

O up! chegou ao mercado brasileiro em 2014 com um potencial inversamente proporcional ao seu tamanho. O subcompacto estreava plataforma e motores inéditos no segmento, e surpreendeu positivamente em testes de impacto e reparabilidade. 

Mas o modelo nunca disparou nas vendas, e este ano já foi superado pelo seu maior rival, o Fiat Mobi. Entre os possíveis motivos para isso estão o design conservador e a parca lista de equipamentos para sua faixa de preço.

A Volkswagen promoveu uma série de melhorias pontuais para melhorar este cenário, adicionando mais itens à versão move, e lançando mais versões e séries especiais. Mas nem mesmo a chegada da ótima versão TSI foi o suficiente para fazer o up! deslanchar.

Versão high up! é a nova topo de linha do compacto, custa R$ 57.100

Como na Europa a situação não era muito diferente, a Volkswagen optou por seguir outra estratégia com o modelo em sua reestilização de meia-vida. A atualização, lançada no Salão de Genebra de 2016, chegou no final de abril às lojas brasileiras com uma meta ousada.

MENOR E MAIS CARO
Mesmo tendo ficado 8,4 cm mais comprido (graças aos novos para-choques), o up! continua abaixo do Gol nas medidas externas. A Volkswagen, porém, posicionará o modelo acima do outrora líder nas vendas, visando aumentar a rentabilidade do up! com uma margem de lucro maior. 

Alterações visuais da linha 2018 seguiram o padrão europeu do up!

Para isso, a versão nacional do subcompacto ganhou boa parte dos itens que foram adicionados à versão europeia reestilizada. A longa lista de mudanças incluiu painel redesenhado, novo quadro de instrumentos, rádio multimídia com entrada USB, sensor crepuscular e de chuva e até mesmo um frugal suporte de celular.

Exceto por este último item, porém, todos os outros são opcionais ou equipam apenas as versões mais caras do modelo.
A explicação está no foco da Volkswagen em concentrar as vendas nas versões move, high e na inédita connect. Todas elas incluem ar-condicionado, direção assistida e trio elétrico de série.

Cabine está mais refinada. Volante e painel são similares aos do Fusca

Mas é na topo de linha high que o enriquecimento do up! fica mais claro. Há mimos como luz de led no painel bicolor para iluminação ambiente, faróis de neblina com luzes de conversão estáticas e aplicativo de smartphone integrado ao computador de bordo - itens inexistentes até mesmo na versão mais cara do Gol.

Outra coisa que o veterano não tem é ESC, ar-condicionado digital, DRL e frenagem autônoma de emergência. Esse pacote de itens, porém, também ficará ausente do up! nacional, apesar de equipar o modelo europeu.

Mesmo nem tão completo como se esperava, o novo up! pode ao menos voltar a se destacar no mar de compactos atual - e nem precisará estar pintado no chamativo laranja XXX que marca o lançamento da linha 2018.

Versão cross do up! parte de R$ 55.600 e se baseia na move

Os para-choques mais retilíneos e as lanternas redesenhadas deram mais personalidade ao up!. Não chega a ser um carro de torcer pescoços, mas ele pode ser mais notado na rua.

O acabamento segue correto e cheio de plástico rígido, mas a adoção de tons diferenciados dão um ar mais caprichoso ao interior. O problemático GPS Maps & More deu lugar ao mesmo suporte de celular usado na linha Gol e, de quebra, abriu espaço para a desejada entrada USB.

A dinâmica não foi alterada, o que é ótimo - especialmente na versão TSI. Responsável por quase metade das vendas do modelo, ela caiu no gosto do povo e fez até a VW rever a publicidade do modelo. Se antes a  marca reforçava a eficiência energética do propulsor turbo, agora a esportividade será reforçada nas propagandas e até no visual: o filete vermelho na grade, típico da linha GTI, é exclusividade nacional.

Personalização é a mesma adotada na linha anterior do compacto

Nada é perfeito, porém. O aplicativo Maps & More gratuito é pesado e pouco prático para ser usado com o celular fixo no suporte, e a falta de vidro elétrico traseiro ainda é uma falha a ser corrigida. Para um popular não seriam grandes problemas, mas pode ser um desafio para um modelo mais caro que o Gol.

PREÇOS E VERSÕES

take up! MPI: R$ 37.990 - Pneus de baixa resistência ao rolamento, banco do motorista com regulagem de altura, alerta sonoro dos faróis acesos, chave do tipo canivete, desembaçador do vidro traseiro, iluminação do porta-malas, relógio digital, suporte para celular com entrada USB. Opcionais: direção elétrica, coluna da direção com ajuste de altura, ar-condicionado, vidros dianteiros elétricos, travas elétricas.

move up! MPI: R$ 48.290 -  Iluminação ambiente no painel (versão TSI), volante multifuncional com acabamento de couro, computador de bordo, faróis de neblina, rodas de liga leve de 14'', trio elétrico (com retrovisor com função tilt down), sensor traseiro, ar-condicionado, sistema de som Composition. Opcionais: Composition Phone (Maps & More, para a versão TSI).

move up! MPI I-Motion: R$ 50.668 - (mesmos equipamentos da versão move MPI)

move up! TSI: R$ 52.790 - (mesmos equipamentos da versão move MPI)

connect up! TSI: R$ 54.900 - edição especial baseada na move, com diferencial estético (teto, retrovisores e parachoque dianteiro pretos e faixas laterais), motor 1.0 TSI, sistema de som Composition Phone e cores laranja (nova), azul ou prata. 

cross up! TSI: R$ 55.600 - Lista de equipamentos baseada na versão move, mais rack de teto, aplique prateado no para-choque, sensor crepuscular e de chuva e rodas de liga leve de 15'' com pintura exclusiva

high up! TSI: R$ 57.100 - Sensor de chuva e crepuscular, cornering light, função "coming & leaving home" (deixa os faróis acesos por 30 segundo após travar ou destravar as portas), bancos de couro sintético e sistema de som Composition Phone.

Dados de fábrica do VW high up! TSI

CONCLUSÃO
O up! tinha como foco a racionalidade, com boa dirigibilidade, baixo consumo e visual conservador. A receita alemã, contudo, não funcionou tão bem na faixa de preço dos populares e levou ao reposicionamento do modelo. A reestilização veio em boa hora e a lista de itens nas versões mais caras é razoável, mas, para quem busca oferecer um modelo menor por um preço maior, valeria a inclusão de mais equipamentos. A tática de colocá-lo acima do Gol é ousada, e cabe à VW quebrar o mito de que brasileiro compra carro por metro.

Medições realizadas no campo de provas da ZF-TRW, em Limeira (SP)