Ka+ enfrenta o Grand Siena

Motorpress
Da Redação, em São Paulo (SP)
03/10/2014 11:30
Ford Ka+ 1.5 SEL x Fiat Grand Siena Essence 1.6
Fiat Grand Siena Essence 1.6
Ford Ka+ SEL 1.5
Fiat Grand Siena Essence 1.6
Fiat Grand Siena Essence 1.6
Fiat Grand Siena Essence 1.6
Fiat Grand Siena Essence 1.6
Fiat Grand Siena Essence 1.6
Fiat Grand Siena Essence 1.6
Fiat Grand Siena Essence 1.6
Fiat Grand Siena Essence 1.6
Ford Ka+ SEL 1.5
Ford Ka+ SEL 1.5
Ford Ka+ SEL 1.5
Ford Ka+ SEL 1.5
Ford Ka+ SEL 1.5
Ford Ka+ SEL 1.5
Ford Ka+ SEL 1.5
Fiat Grand Siena Essence 1.6
Fiat Grand Siena Essence 1.6
Fiat Grand Siena Essence 1.6
Ford Ka+ SEL 1.5
Ford Ka+ SEL 1.5
Ford Ka+ SEL 1.5
Ford Ka+ SEL 1.5
Fiat Grand Siena Essence 1.6
Ford Ka+ 1.5 SEL x Fiat Grand Siena Essence 1.6
Ford Ka+ 1.5 SEL x Fiat Grand Siena Essence 1.6
Ford Ka+ 1.5 SEL x Fiat Grand Siena Essence 1.6
Ford Ka+ SEL 1.5

A chegada do novo Ford Ka promete agitar o segmento de hatches, mas a terceira geração do modelo carrega uma responsabilidade adicional: com uma inédita versão sedã chamada Ka+, a novidade também disputará o segmento dos sedãs compactos. E na versão topo de linha 1.5 SEL (R$ 47.490), o Ford encontra como principal rival o veterano Fiat Grand Siena 1.6 16V Essence (R$ 46.190). Será que a novidade dá conta?

Quando foi lançado no início de 2012, o Grand Siena apresentou uma sensível evolução em termos de dinâmica se comparado ao Siena convencional, cuja suspensão é extremamente macia. Com barras estabilizadoras mais espessas e componentes da suspensão traseira oriunda do (bem acertado) Punto, o Grand Siena manteve ótimo nível de conforto, sem deixar a carroceria “à deriva” em mudanças de direção mais rápidas. Mas, apesar da evolução no projeto, os dois anos e meio de evolução que separam os veículos desse comparativo mostram que o modelo da marca italiana não está no nível do novo Ford.

A dianteira com visual “comportado” do Ka+ não dá sinais da dinâmica exemplar para um automóvel de seu porte e proposta. Embora a suspensão do Ford trabalhe silenciosamente e seja muito confortável para o dia a dia, ela apresenta desempenho superior à do Fiat quando o motorista procura condução mais esportiva: a carroceria é neutra e muito equilibrada. E se o motorista calcular mal uma manobra ou tiver de lidar com uma situação adversa (como realizar uma mudança de trajetória brusca), no Ka+, ainda é auxiliado por controles de estabilidade e de tração — itens de segurança que merecem destaque na categoria, uma vez que, normalmente, só estão disponíveis em modelos (bem) mais caros.

E não é apenas na suspensão ou nos itens de segurança que o Ka+ mostra maturidade. Seu motor 1.5 16V Sigma tem ótima oferta de torque entre 1.500 rpm e 5.000 rpm, tornando-o agradável de dirigir, tanto em ciclo urbano quanto rodoviário. O torque bem distribuído e as marchas mais longas oferecem conforto pela suavidade com que o motor trabalha em baixas rotações, além de não exigirem trocas de marchas constantes. O bom desempenho também é auxiliado pelo peso de apenas 1.048 kg do sedã.

 A situação é diferente no Fiat Grand Siena, cujo motor 1.6 16V E.torQ oferece rendimento animador acima de 4.000 rpm, mas apresenta uma certa dose de “anemia” abaixo de 2.500 rpm. Ná prática, isso significa que o Fiat exige maior pressão no pedal do acelerador quando é preciso agilidade. E, por mais que as suas marchas não sejam tão longas quanto as do rival, o sedã da marca italiana pesa exatamente 100 kg a mais que seu rival neste comparativo.

Na pista de testes, os dois veículos apresentaram desempenho semelhante na aceleração de 0 a 100 km/h (vide os números na tabela da pag. 76), mas o Ford toma considerável vantagem acima dessa velocidade. O Ka+ também ganhou duas das três provas de retomadas, foi ligeiramente melhor nas frenagens e apresentou médias de consumo de etanol melhores que o rival: 7,3 km/l em ciclo urbano e 11,1 km/l em rodovias, contra 6,8 km/l e 10,5 km/l, respectivamente, do Fiat Grand Siena Essence.

Outra característica agradável no Ka+ é a sua ampla possibilidade de ajuste da altura do banco do condutor.  Em função da ampla regulagem, o condutor pode ficar em posição mais alta que no Grand Siena (facilitando a vida de pessoas de baixa estatura), e pode ser posicionado também em nível mais baixo que o rival da Fiat — recebendo melhor um motorista de maior estatura, e também oferecendo melhor conectividade com o veículo.

Para o seu dia a dia

Quesitos como dirigibilidade ou desempenho nem sempre compõem a lista de prioridades do consumidor de um sedã compacto, portanto, vamos nos ater a questões de praticidade para o convívio diário. Um dos principais argumentos para a aquisição de um veículo três-volumes é a área do porta-malas, e nesse quesito o Grand Siena dá um passo à frente aos olhos do consumidor, com 520 litros na área de cargas, contra apenas 445 litros de volume no Ford. O Ka+, no entanto, mostra projeto mais inteligente ao oferecer dobradiças pantográficas na tampa do porta-malas, que não invade a área de cargas — enquanto o Grand Siena perde parte do compartimento para acomodar suas dobradiças convencionais. Ainda assim, a Fiat é superior nesse quesito.

Caso o proprietário utilize a lotação máxima do veículo rotineiramente, o Ka+ oferece espaço para pernas e cabeça no banco traseiro ligeiramente superiores em relação ao do Fiat.

Ao trafegar pela cidade, o que mais chamou a atenção entre os dois modelos foi a maciez notavelmente superior da direção elétrica do Ka+ em relação à direção hidráulica do Grand Siena — embora não seja possível dizer que o componente empregado no Fiat seja ruim. Os dois sedãs também recebem seus clientes com ar-condicionado, computador de bordo, desembaçador do vidro traseiro e faróis de neblina, travas elétricas, airbag duplo e freios ABS. O Ford Ka+ oferece vidro elétrico nas quatro portas (o Fiat, apenas nas portas dianteiras), mas deixa a desejar ao oferecer somente retrovisores com ajuste manual: o acionamento elétrico só pode ser instalado como acessório nas concessionárias.

Porém, o Ka + SEL é equipado com itens que facilitam a vida no dia a dia, como o Hill Assist (que mantém os freios acionado por alguns segundos, evitando que o carro volte nas arrancadas em aclives), partida assistida (na qual o motorista precisa apenas girar a chave de ignição por um breve momento, para que o motor de arranque entre em ação até o motor ser acionado) e, o mais importante, o Assistente de Emergência. Este último, caso o airbag seja disparado ou o interruptor inercial de combustível seja ativado, utiliza o celular que estiver pareado com o sistema Sync e liga para o Samu, de modo a comunicar um acidente e informar a localização do veículo.

Todavia, embora o Ford Ka+ seja mais bem equipado, durante a avaliação, o Grand Siena ofereceu uma característica que seu rival não foi capaz de atingir: maior sensação de qualidade do produto. Quando o vidro do Ford é fechado completamente, por exemplo, é possível ver parte da moldura da porta se movimentar, passando a sensação de que o revestimento interno é frágil.

E quando o tanque de combustível da unidade testada entrou na reserva e foi abastecida, o indicador de nível não apenas apontou um nível desproporcional à quantidade de combustível colocada no reservatório, como a luz de reserva demorou diversos quilômetros para apagar. São detalhes, mas incomodarão os consumidores mais exigentes.

 A melhor escolha

Somadas as características, o Ford Ka+ se mostrou o veículo que zela mais pelo seu consumidor. Ele é ligeiramente mais caro que o Grand Siena, tem custo de revisão maior, assim como preço de manutenção — itens como desvalorização e seguro ainda não estão disponíveis — mas oferece somatório de benefícios imbatível na comparação com o Grand Siena Essence. De suspensão mais equilibrada a itens de segurança existente somente em modelos mais caros, o Ford torna-se a escolha mais lógica, embora ainda deixa a desejar em quesitos básicos, como o acabamento. O Fiat Grand Siena Essence é um bom veículo, mas com a chegada do rival, seu preço tornou-se muito alto se analisado pela ótica do custo-benefício. Ele perdeu pela defasagem.

Conclusão:

Médica final técnica

1º Ford Ka+ 1.5 SEL: 168,5 pontos

Pontos positivos: dirigibilidade, itens de segurança, desempenho, consumo

Assim como o Ford Ka hatch, a versão topo de linha do Ka+, SEL, trouxe uma série de inovações importantes para o segmento, como assistente de emergência, controles de estabilidade e tração, além do assistente de partida em rampa. Embora seu porta-malas não seja o maior da categoria, o espaço interno é bom, sua direção é macia, e a posição de dirigir é ótima. Equipado com o motor 1.5 16V Sigma, o sedã da Ford tambem tem desempenho satisfatório, e sua suspensão pode ser considerada referência no segmento pelo ótimo compromisso entre conforto e estabilidade. Mereceu o primeiro lugar, mas retrovisores elétricos de série seriam bem-vindos.

2º Fiat Grand Siena Essence: 158,8 pontos

Ponto positivo: suspensão confortável

O Fiat Grand Siena 1.6 Essence oferece muitos benefícios, como espaço interno e desempenho satisfatórios, amplo porta-malas, bom sistema de freios, além da ampla lista de opcionais — permitindo que o consumidor o configure da melhor forma, ao seu gosto. Por outro lado, ele não oferece controles de estabilidade e tração, ou o recurso de emergência presente no Ford. Ele tem custo-benefício atraente, mas o Ka+ é um veículo muito mais completo e agradável de conviver, pelo mesmo preço.

Média final de mercado:

1) Ford Ka+ 1.5 SEL: 43 pontos

O Ka+ não tem opcionais como seu rival da Fiat, e seu custo de manutenção é consideravelmente mais alto. compensação, ele é bem equipado, tornando-o um ótimo negócio. Seu maior destaque em relação ao Grand Siena é o melhor consumo e a maior autonomia.

2) Fiat Grand Siena Essence: 42,5 pontos

O Grand Siena 1.6 Essence tem bom custo-benefício (embora não tão bom quanto o do Ka+) é um modelo bem aceito no mercado e agrada pela versatilidade. Mas seu consumo é elevado e o tanque de combustível pequeno prejudica na autonomia.

Veredito

Embora esta seja a primeira vez que a Ford lança uma versão sedã do Ka, o Ka+ SEL 1.5 16V não decepcionou e mostrou-se muito moderno e equilibrado na soma de suas características, conquistando a vitória neste comparativo até com certa facilidade sobre o Fiat Grand Siena 1.6 16V. Mais leve, e com mais disposição em baixas rotações, o novo Ford exibiu desempenho superior no balanço de todos os testes, além de consumo de combustível inferior ao do Fiat. E embora seu porta-malas tenha menor capacidade comparado ao do rival da marca italiana, o Ford oferece mais espaço interno e suspensão com melhor acerto entre conforto e dirigibilidade. Para finalizar, controles de tração e de estabilidade, assistente de partida em rampa e ligação para o Samu no caso de acidentes são itens que tornam o Ka+ o mais “premium” de seu segmento em termos de segurança. Foi uma vitória merecida do novato.

Outras opiniões

Por César tizo I Editor executivo
Assim como o hatch, o Ka em sua carroceria sedã estabelece um novo padrão de equipamentos em sua categoria. Além disso, tem um conjunto mecânico moderno e eficiente. Só peca por algumas falhas de montagem e acabamento que notamos ao longo de nossa avaliação.

Por Hector Vieira I Repórter
O Ford Ka+ chegou ao mercado com atributos difíceis de serem superados. Além dos equipamentos inéditos para a categoria, seu projeto moderno proporciona prazer ao dirigir, especialmente pelo vigor em baixas rotações. Mereceu a vitória. Para o Siena, fica evidente a necessidade de atualização.

Versões Relacionadas