Comparativo: aventureiros

Motorpress
Da Redação, em São Paulo (SP)
04/11/2013 13:00
Hyundai HB20X Premium
VW CrossFox I-Motion
Renault Sandero Stepway Automático
Na versão automática, o Stepway conta com motor 1.6 16V (o cabeçote é de 8V no manual)
O 1.6 8V do CrossFox é o que entrega menos potência, com isso, o VW andou como o Sandero, mas consumiu bem menos etanol
Motor 1.6 16V é o mais potente e conta com comando de válvulas variável
Uma das novidades do HB20X é o rádio com Bluetooth
A boa qualidade dos materiais e da montagem da cabine são pontos altos no VW
O Sandero é o único com câmbio automático sequencial
Porta-malas do Sandero tem 320 litros
Porta-malas do VW é o menor entre os três
Com 300 litros de capacidade, o porta-malas do Hyundai só perde para o do Sandero
Rodas tem aro 15" no HB20X
Teto solar é oferecido como opcional no CrossFox

Competidores

VW CrossFox vs. Hyundai HB20X vs. Renault Sandero Stepway

Hyundai HB20X: A aposta da marca no segmento parte de R$ 51.995 com câmbio automático na opção Style. Por quê? É um dos produtos mais recentes dentro do segmento dos “aventureiros” e deve acompanhar a boa aceitação do HB20.

Renault Sandero Stepway: Com câmbio automático, o Renault parte de R$ 50.120. Por quê? Aposta na receita do custo-benefício, aliada ao espaço interno e porta-malas maiores em relação aos rivais. 

Volkswagen CrossFox: Na versão com câmbio robotizado custa R$ 53.390 sem opcionais. Por quê? É o único que ousa mais no estilo geral, com estepe na tampa traseira, solução que é muito benquista no país.

Como você já conferiu aqui no Carro Online, os “aventureiros urbanos” marcaram seu território há um bom tempo. Seu estilo informal, o ligeiro aumento na altura da suspensão (que, vá lá, até ajuda a enfrentar melhor os buracos e lombadas do dia a dia) e a diferença de preço não tão grande entre as opções equivalentes sem a “maquiagem” fora de estrada, levam muitos interessados em determinados modelos a optar por eles. Ou melhor: às vezes a existência de uma versão off-road light pode ser determinante na hora da compra. Foi por isso que a Hyundai não hesitou em lançar o HB20X.

Desde o lançamento a marca sul-coreana deixou claro que traçaria toda sua estratégia comercial (assim como o restante do projeto) para fazer frente em especial ao Volkswagen CrossFox e o Renault Sandero Stepway, não por acaso dois modelos que são praticamente referência na categoria.

Ok, até aqui tudo muito bom. Só que além disso outra forte tendência vem despontado no mercado brasileiro, e nos principais segmentos: a procura pelo câmbio automático. Claro que isso também ocorreu graças ao surgimento das transmissões robotizadas, que, devido ao custo menor em relação a uma caixa automática, tornou possível a um maior número de pessoas dar folga ao pé esquerdo.

Nada melhor, então, do que reunir os dois principais representantes dos “aventureiros” e a novidade que busca seu espaço em suas configurações topo de linha com câmbio automático ou automatizado, no caso do VW CrossFox.

Aqui, aliás, começa uma diferença importante. Apesar dos câmbios automáticos de HB20X e Sandero Stepway estarem longe de representar os mais modernos disponíveis (o do Hyundai peca ao não contar com trocas sequenciais, item presente no Renault), eles oferecem trocas suaves, enquanto o do CrossFox sofre com os “soluços” da transmissão robotizada. A bordo do VW, é melhor que você troque as marchas por meio da alavanca ou das borboletas atrás do volante (opcionais) e aliviando o acelerador a cada passagem. Com isso você ameniza esse incômodo comportamento. 
Curioso é que, apesar de contar com câmbio automático sequencial — teoricamente o melhor dos três ao ser o mais confortável e ainda permitir uma intervenção do motorista nas trocas —, o Stepway é o mais barato, partindo de R$ 50.120.

O VW, por sua vez, parte de R$ 53.390 (CrossFox I-Motion) e o HB20X na opção topo de linha avaliada, a Premium automática com sistema de som original, está nas lojas por R$ 54 455. O Hyundai também conta com a versão Style automática, que só deve alguns equipamentos de conforto, dentre eles o sensor de estacionamento, por R$ 51.955, como citado no início desta reportagem. 

Em um primeiro momento o preço do VW pode parecer mais interessante em relação ao Hyundai, mas ele não vem com as rodas de liga leve aro 15”, por exemplo, o que eleva o preço para R$ 53.897. Equipado como o HB20X Premium, o valor do Cross­Fox alcança R$ 55.343. Um detalhe interessante do VW é que, além de ser o único com visual mais trabalhado — com o estepe na traseira —, também é o único a oferecer teto solar (R$ 2.232). Com todos os opcionais disponíveis, por R$ 59.444, o VW praticamente sobe de categoria.

Mas o Sandero Stepway, que todo equipado, incluindo bancos de couro, passa a custar R$ 51.320, é o único que tem disponível uma interessante central multimídia, incluindo GPS, original de fábrica.

Um dos problemas do Renault, bem notório quando você sai do CrossFox e do HB20X, é que ele não consegue se desvincular de suas origens low cost, ou seja, seu projeto desde o início contemplava um carro de baixo custo. Falta mais refinamento na cabine e alguns problemas graves, como a péssima posição dos comandos do vidro elétrico nas portas traseiras, depõem contra ele. 

Em contrapartida, quem busca mais espaço interno e porta-malas deve considerar o Renault, que nesse quesito se destaca dos rivais. Depois dele, o CrossFox é o que oferece o habitáculo mais espaçoso, seguido pelo HB20X. Mesmo assim, o Hyundai tem capacidade do porta-malas somente 20 litros inferior à do Stepway. 

Ao volante, praticamente os três “aventureiros” repetem as qualidades e defeitos dos hatches dos quais derivam. A carroceria do HB20X poderia oscilar menos lateralmente, o câmbio do Sandero Stepway ter engates mais suaves, assim como respostas da direção mais rápidas, e o CrossFox, um desempenho melhor.

Falando nisso, é impressionante o abismo que separa CrossFox e Sandero Stepway do HB20X. Enquanto os dois primeiros aceleram de 0 a 100 km/h na casa de 14s0, o Hyundai é 3s0 mais rápido, mesma vantagem que se observa nas retomadas. O Sandero Stepway, por exemplo, precisa de 16s4 para ir de 60 a 120 km/h, enquanto o HB20X cumpre a mesma prova em 12s1.

O mais leve e o mais potente do trio, não é difícil entender porque o HB20X é um carro bem mais disposto. Com uma relação de 8,5 kg/cv, frente aos 10,4 kg/cv do Sandero Stepway e 11,1 kg/cv do CrossFox, se o Hyundai contasse com um câmbio mais sofisticado, como a caixa de 6 velocidades presente no Kia Soul (a Hyundai e a Kia pertencem ao mesmo grupo), ele seria ainda mais ágil.

Ainda com relação ao motor e câmbio, um ponto em que o Stepway se destacou negativamente foi no consumo, com média PECO (55% ciclo urbano e 45% ciclo rodoviário) de apenas 7,0 km/litro com etanol frente aos 8,5 km/litro de HB20X e 8,8 km/litro do CrossFox. Na cidade, em nosso percurso padrão, o Renault atingiu média de apenas 5,1 km/litro.

Já que estamos falando de números e custos, bem que a VW poderia ser mais camarada com o interessado em um CrossFox. Seu plano de revisões obrigatórias até 30.000 km, que soma R$ 799, só perdeu para o do Sandero a R$ 1.124, contra R$ 651 do HB20X.

O que assustou mesmo é o preço da cesta de peças cotada por nós, que ficou em R$ 3.021 para o VW, R$ 2.655 para o Renault e R$ 1.785 para o Hyundai. Além  disso, frente à concorrência cada vez mais agressiva, está na hora da VW rever seu prazo de garantia total, atualmente em 1 ano, contra 3 anos concedido pela Renault para o Sandero e os 5 anos que a Hyundai oferece para o HB20X.

Mas se no custo-benefício o CrossFox não vai muito bem, é inegável que, dos três, é o CrossFox que mais transmite ao condutor a sensação de estar em um SUV ou um veículo mais robusto. Até mesmo por conta da arquitetura do Fox, que coloca seus passageiros em uma posição mais elevada dentro do carro, e a generosa amplitude da regulagem de altura de bancos e volante de direção, permite ao motorista assumir uma posição de dirigir diferenciada. Nesse ponto, HB20X e Sandero Stepway não se equivalem ao VW.

Só que o estepe preso na tampa do porta-malas do CrossFox tira um pouco da praticidade na hora de acessar o compartimento, uma vez que é necessário deslocar o suporte para a esquerda. Um sacrifício em nome do estilo. Ainda no campo das críticas, apesar do novo rádio com Bluetooth e comandos no volante do HB20X, o que ajuda muito no conforto, a qualidade do som poderia ser melhor.

Melhor em desempenho, com um custo de versões mais equilibrado, barato de manter, acabamento bem executado e com um prazo de garantia que não estamos acostumados a encontrar nessa categoria, o HB20X leva até com certa facilidade este confronto envolvendo as versões com câmbio automático.

Apesar do bom espaço interno e o visual externo feito com bom gosto, sem exageros, o Sandero Stepway deve um interior mais caprichado. Seu elevado consumo de combustível e a pouca disposição na hora de acelerar também lhe custaram pontos importantes. Na mesma medida, o custo das revisões poderia ser menor.

O CrossFox ficou na frente do Renault por pouco, até porque ambos compartilham algumas deficiências, como os gastos com manutenção elevados. Outra ressalva vai para a transmissão robotizada, que não oferece a mesma suavidade do câmbio automático convencional presente no Sandero Stepway e no HB20X. Contudo, se o estilo mais “ousado” do CrossFox é um diferencial importante para você, estará levando para casa um bom carro. Mas, no todo, o HB20X é o que oferece mais. Então escolha seu destino, encha seu modelo preferido com suas coisas e viva uma ótima aventura!

Conclusão:

1º Hyundai HB20X: média final 7,4

Hyundai HB20X

Ela é uma estreante no segmento dos compactos e, apesar da boa imagem que já havia conquistado com os modelos importados, ainda precisa conquistar os brasileiros. Com isso a Hyundai criou um pacote bem interessante para a família HB20. Ele é competitivo no pós-vendas, tem maior prazo de garantia do segmento e, como se não bastasse, mostrou-se um carro superior em vários aspectos do que seus principais concorrentes. Em relação ao Sandero Stepway e o CrossFox, o HB20X é o que anda melhor, oferece bom acabamento além de espaço interno e porta-malas condizentes com a categoria. Enfim, um conjunto equilibrado e que conquista a vitória.

2º VW CrossFox: média final 7,1

Volkswagen CrossFox

Se você pensa em adquirir um “aventureiro” mais pelo visual do que qualquer outra característica técnica, como a suspensão elevada, o CrossFox é o que mais investe nisso. Além de apliques plásticos pela carroceria e para-choques mais robustos, só ele traz estepe na traseira. Apesar das ótimas qualidades dinâmicas, o bom acabamento e o espaço interno bem aproveitado, o VW comete deslizes ao não trazer ar-condicionado e rodas de liga leve de série. Ele também não se mostrou barato na hora de manter e ficou devendo em desempenho. Seu câmbio, que é robotizado, também não é unanimidade entre o público.

3º Renault Sandero Stepway: 7,0

Renault Sandero Stepway

Além do desempenho que deixa a desejar, o Sandero Stepway mostrou ter um consumo elevado com etanol. Falta a ele também mais refinamento no interior e corrigir algumas falhas de ergonomia. Seu preço mais camarada e a boa lista de itens de série, contudo, ajudam. Ele tem três anos de garantia, mas usufrui-la sai muito caro ao seu proprietário.

Opiniões

João Anacleto: O HB20X se comportou bem e pode-se perceber uma boa diferença dinâmica com relação ao HB20, no entanto não traz nada de novo à disputa. Se esteticamente o carro nasceu benfeito, os itens aventureiros não lhe caíram tão bem. Não gostei das rodas, por exemplo, e acho que faltou aprimorar o acabamento interno. Continuo apreciando mais o VW CrossFox e seu jeito meio espalhafatoso, com estepe na tampa traseira e adesivos chamativos. Afinal, se eu quero um carro diferente, que ele beire o excêntrico. O VW também é muito bom de dirigir e a posição de guiar acomoda melhor meu 1,90 m. O Sandero? Para mim, ele está abaixo dos dois.

Vinícius Montoia: O Sandero Stepway deixa a desejar em detalhes: um deles é a falta de iluminação no espelho do quebra-sol. Pode parecer pouco, mas a concorrência e o público feminino não perdoam. O esmero na cabine do VW, com bancos bem costurados e bolsas atrás dos assentos dianteiros, junto com a possibilidade de adicionar teto-solar, não compensam a comodidade que só um câmbio automático pode proporcionar. O robotizado pode desapontar os consumidores mais exigentes, por conta dos soluços desconfortáveis. Fico com a lista de equipamentos de série do Hyundai, que agora oferece rádio com conexão Bluetooth e porta-malas apenas 20 litros menor que o do Renault Sandero Stepway. 

Versões Relacionadas